Você sabe o que é o Sequestro de Carbono?

Por Matheus Felipe


A princípio devemos entender que há o excesso de carbono na atmosfera de vido às atividades como queima de combustíveis fósseis, incineração de lixo, queimadas em campos e floresta, tudo isso acaba liberando gases tóxicos. Logo, ocorre a poluição atmosférica, o aumento do efeito estufa, interferindo na dissipação da radiação infravermelha, o que torna a Terra um lugar mais quente.

Agora que já aprendemos sobre a origem desse excesso de CO2, gás carbônico, podemos avançar para o sequestro de carbono, esse processo consiste em aumentar áreas de plantio em virtude da absorção de grandes quantidades de carbono na atmosfera ou de gases que podem se tornar gás carbônico. Por isso, é preciso que aumentemos o número desde árvores até algas marinhas, pois como esses agentes fazem fotossíntese, há o uso do carbono para que possam viver e produzir moléculas orgânicas.

De acordo com o Plano Nacional Sobre Mudanças Climáticas, PNMC, no Brasil a maior parcela das emissões é devido à transformação de áreas florestais em agropecuaristas, sendo responsável por 75% das emissões, os demais 25% partem de queimas de combustível, emissões fugitivas e processos industriais. De acordo com a Protocolo de Kyoto, realidade em 1997, há a necessidade da diminuição dos gases do efeito estufa, o que levou à incorporação do sequestro de carbono em 2004, ambos influenciados pelo ECO-92, realizado no Rio de Janeiro.

Por fim, concluímos que o sequestro de carbono é um processo necessário em todo o planeta, para que assim as atividades humanas que produzem gases tóxicos sejam minimizadas, levando em consideração também que devemos aumentar o plantio de plantas que consomem CO2 de forma rápida. Logo, esse mecanismo natural pode ser implantado de forma simples, sabemos sua origem, seus efeitos e o malefício do gás carbônico, cabe a nós agora colocarmos em prática.


Fontes:

https://www.infoescola.com/ecologia/sequestro-de-carbono/

https://www.conhecer.org.br/enciclop/2009/sequestro.pdf






0 comentário